Imprimir

PROPRIEDADE INTELECTUAL: CONTEXTO HISTÓRICO, IMPORTÂNCIA E SUAS FORMAS DE PROTEÇÃO

Escrito por Super User. Posted in Uncategorised

PIDCC, Aracaju/Se, Ano IX, Volume 01 nº 03, p.029 - 063 OUT/2020 A JAN/2021 | www.pidcc.com.br

PROPRIEDADE INTELECTUAL: CONTEXTO HISTÓRICO, IMPORTÂNCIA E SUAS FORMAS DE PROTEÇÃO

INTELLECTUAL PROPERTY: HISTORICAL CONTEXT, IMPORTANCE AND ITS FORMS OF PROTECTION
PROPIEDAD INTELECTUAL: CONTEXTO HISTÓRICO, IMPORTANCIA Y SUS FORMAS DE PROTECCIÓN
PROPRIÉTÉ INTELLECTUELLE: CONTEXTE HISTORIQUE, IMPORTANCE ET SES FORMES DE PROTECTION

RITA DE CASSIA MEDEIROS GOMES

RESUMO | ABSTRACT | ABSTRACTO| RESUMEN

O presente Trabalho, “Propriedade Intelectual: Contexto histórico, importância e suas formas de proteção” é capítulo da pesquisa  de Conclusão de Curso, intitulada: “A Propriedade Intelectual e as diferentes formas de proteção: perspectivas de amparo legal e de atuação”, tem por finalidade estudar o Instituto Propriedade Intelectual, seu sistema de proteção, sua influência nos diversos campos do Direito e a relação deste com a Propriedade Intelectual e em específico: Levantar e registrar os dados que apresentem as concepções diversas sobre Propriedade Intelectual e as diferentes formas de proteção. Ainda, a sua contribuição para a sociedade, sua relevante função social, o incentivo a pesquisa, inovação e, criação, tendo à indústria, a economia, a universidade e a criação humana como pontes para consolidar o Instituto. Em relação à proposta de pesquisa, tem-se como objeto de estudo o “Instituto Propriedade Intelectual”, com o objetivo de Investigar quais contribuições importantes a Propriedade Intelectual pode proporcionar, tanto para a sociedade, como para o campo cientifico, social, econômico, profissional e legalmente como está amparada, através de pesquisas em fontes diversas e atualizada. Tendo assim, a seguinte problemática: Quais contribuições importantes a Propriedade Intelectual pode proporcionar, tanto para a sociedade, como para o campo cientifico e de atuação? A metodologia de pesquisa está fundamentada na pesquisa bibliográfica e o método utilizado é a revisão literária narrativa, sendo esta uma pesquisa qualitativa e descritiva. Foi possível perceber grande embate doutrinário e jurisprudencial quanto ao objeto pesquisado e o sistema de sua proteção. No entanto, também foi possível detectar a relevante importância desse instituto para o avanço: social, econômico, cultural e se assim for possível manifestar, a percepção de um estudo e conhecimento hibrido que perpassa por vários campos de atuação e domínio, além do Direito.

Palavras-Chave: Contexto histórico. Criação. Formas de Proteção. Direito.  Propriedade Intelectual

The present work, “Intellectual Property: Historical context, importance and its forms of protection” is a chapter of the Course Conclusion research, entitled: “Intellectual Property and the different forms of protection: perspectives of legal support and performance”, has for the purpose of studying the Intellectual Property Institute, its protection system, its influence in the different fields of Law and its relationship with Intellectual Property and in particular: To collect and record data that present the different conceptions about Intellectual Property and the different forms of protection. Also, its contribution to society, its relevant social function, the incentive to research, innovation and creation, with industry, the economy, the university and human creation as bridges to consolidate the Institute. Regarding the research proposal, the “Intellectual Property Institute” is the object of study, with the objective of investigating what important contributions Intellectual Property can provide, both for society and for the scientific, social, economic field, professionally and legally as it is supported, through research in different sources and updated. Thus, having the following problem: What important contributions can Intellectual Property provide, both for society, and for the scientific and operational field? The research methodology is based on bibliographic research and the method used is the narrative literary review, which is a qualitative and descriptive research. It was possible to notice a great doctrinal and jurisprudential clash regarding the researched object and the system of its protection. However, it was also possible to detect the relevant importance of this institute for advancement: social, economic, cultural and if it is possible to manifest it, the perception of a study and hybrid knowledge that permeates several fields of activity and domain, in addition to Law.

Keywords: Historical context. Creation. Forms of Protection. Right. Intellectual property

El presente trabajo, “Propiedad intelectual: contexto histórico, importancia y sus formas de protección” es un capítulo de la investigación Conclusión del curso, titulado: “Propiedad intelectual y las diferentes formas de protección: perspectivas de sustento y desempeño legal”, ha con la finalidad de estudiar el Instituto de Propiedad Intelectual, su sistema de protección, su influencia en los diferentes campos del Derecho y su relación con la Propiedad Intelectual y en particular: Recoger y registrar datos que presenten las diferentes concepciones sobre la Propiedad Intelectual y las diferentes formas de proteccion. Asimismo, su aporte a la sociedad, su función social relevante, el incentivo a la investigación, la innovación y la creación, con la industria, la economía, la universidad y la creación humana como puentes para la consolidación del Instituto. En cuanto a la propuesta de investigación, el “Instituto de Propiedad Intelectual” es objeto de estudio, con el objetivo de investigar qué importantes aportes puede brindar la Propiedad Intelectual, tanto para la sociedad como para el ámbito científico, social, económico, profesional y legalmente como se sustenta, a través de investigaciones en diferentes fuentes y actualizadas. Por tanto, ante el siguiente problema: ¿Qué aportes importantes puede aportar la Propiedad Intelectual, tanto para la sociedad, como para el ámbito científico y operativo? La metodología de investigación se basa en la investigación bibliográfica y el método utilizado es la revisión literaria narrativa, que es una investigación cualitativa y descriptiva. Se pudo notar un gran choque doctrinal y jurisprudencial sobre el objeto investigado y el sistema de su protección. Sin embargo, también se pudo detectar la relevancia de este instituto para el avance: social, económico, cultural y si es posible manifestarlo, la percepción de un estudio y conocimiento híbrido que permea varios campos de actividad y dominio, además del Derecho.

Palabras clave: Contexto histórico. Creación. Formas de protección. Correcto. Propiedad intelectual

Le présent ouvrage, «Propriété intellectuelle: contexte historique, importance et ses formes de protection» est un chapitre de la recherche de conclusion du cours, intitulé: «Propriété intellectuelle et les différentes formes de protection: perspectives de soutien juridique et de performance», a aux fins d'étudier l'Institut de la propriété intellectuelle, son système de protection, son influence dans les différents domaines du droit et sa relation avec la propriété intellectuelle et en particulier: Recueillir et enregistrer des données qui présentent les différentes conceptions de la propriété intellectuelle et les différentes formes de protection. Aussi, sa contribution à la société, sa fonction sociale pertinente, l'incitation à la recherche, à l'innovation et à la création, avec l'industrie, l'économie, l'université et la création humaine comme ponts pour consolider l'Institut. En ce qui concerne la proposition de recherche, l ’« Institut de la propriété intellectuelle »fait l’objet d’une étude, dans le but de rechercher les contributions importantes que la propriété intellectuelle peut apporter, tant pour la société que pour le domaine scientifique, social et économique, professionnellement et légalement car il est soutenu, par la recherche dans différentes sources et mis à jour. Ayant donc le problème suivant: quelles contributions importantes la propriété intellectuelle peut-elle apporter, tant pour la société que pour le domaine scientifique et opérationnel? La méthodologie de recherche est basée sur la recherche bibliographique et la méthode utilisée est la revue littéraire narrative, qui est une recherche qualitative et descriptive. On a pu constater un grand affrontement doctrinal et jurisprudentiel concernant l'objet recherché et le système de sa protection. Cependant, il a également été possible de déceler l'importance pertinente de cet institut pour l'avancement: social, économique, culturel et s'il est possible de le manifester, la perception d'une étude et d'un savoir hybride qui imprègne plusieurs domaines d'activité et domaine, en plus du droit.

Mots-clés: Contexte historique. Création. Formes de protection. Droite. Propriété intellectuelle

REFERÊNCIAS

ANONI, Danielle e, WACHOWICZ, Marcos. Estudos sobre o Direito da Personalidade e a Tutela dos Direitos Autorais. Disponível em:< http://www.ebah.com.br/content/ABAAAA8NEAI/resumo-tutela-dos-direitos-personalidade-dos-direitos-autoraias-nas-atividades-empresariais>. Acesso em: 28 de julho de 2018.

BAGNATO, Vanderlei Salvados; MARCOLAN, Daniel e; ORTEGA, Luciane Meneguin. Guia Prático II: Transferência de Tecnologia - Parcerias entre Universidade e Empresas. AUSPIN- Agência USP de Inovação, 2016. Disponível em:<. http://www.inovacao.usp.br/wp-content/uploads/sites/300/2017/10/cartilha_TT_bom.pdf.>. Acesso em: 23 de julho de 2018.

 BAGNATO, Vanderlei Salvados; SOUZA, Maria Aparecida e; MURAKAWA, Lígia. Guia Prático I: Introdução à Propriedade Intelectual. AUSPIN- Agência USP de Inovação, 2016.  Disponível em:< http://www.inovacao.usp.br/wp-content/uploads/sites/300/2014/02/CARTILHA_PI_bom_x.pdf>. Acesso em 17 de junho de 2018.

BARBOSA, Denis Borges. Bases Constitucionais da Propriedade Intelectual. Disponível em:< http://www.nbb.com.br/pub/propriedade13.pdf >. Acesso em 18 de junho de 2018.

BARROS, Carla Eugenia Caldas. Manual de Direito da Propriedade Intelectual, Evocati: Aracaju, 2007.

BARROS, Carla Eugenia Caldas. Aperfeiçoamento e Dependência em Patentes, Lumen Juris: Rio de Janeiro, 2004

BIBLIOTECA DANTE MOREIRA LEITE-USP. O que é Revisão Literária. Disponível em: < http://www.ip.usp.br/portal/images/biblioteca/revisao.pdf>. Acesso em: 23 de junho de 2018.

BIBLIOTECA VIRTUAL DE DIREITOS HUMANOS- Universidade de São Paulo. Convenção de Paris para a Proteção da Propriedade Industrial -1967. Disponível em:<www.direitoshumanos.usp.br. Acesso em 14 de outubro de 2018.

BOCCHINO, Lesleia de Oliveira ... [et al]. Propriedade Intelectual: conceito e procedimentos. Publicação da Escola da AGU. Brasília, nº 14, Vol. 2. Brasília: Advocacia Geral da União, 2012. Disponível em:< www.agu.gov.br/page/download/index/id/10512183>. Acesso em julho de 2018

BOCCHINO, Lesleia de Oliveira ... [et al]. Propriedade Intelectual: conceito e procedimentos. Vol. 06 Brasília: Advocacia Geral da União, 2010. Disponível em:< www.agu.gov.br/page/download/index/id/10512183>. Acesso em julho de 2018.

BOCCHINO, Lesleia de Oliveira ... [et al]. Princípios de Direito Administrativo aplicado à Propriedade Intelectual. Disponível em:< https://seer.agu.gov.br/index.php/EAGU/article/viewFile/1668/1350 >. Acesso em 29 de setembro de 2018.

CAMINHA, Marco Aurélio Lustosa. O conceito de Direito. Universidade Federal de Goiás- Faculdade de Direito. Disponível em:<https://www.direito.ufg.br/n/694-artigo-o-conceito-de-direito>. Acesso em 10 de setembro de 2018.

CARDOSO, Oscar Valente. A competência da Justiça Federal na Tutela dos Direitos da Propriedade Intelectual. Revista CEJ, Brasília, ano XII, p.51-56, out/dez, 2008. Disponível em:< www.corteidh.oi.cr/tables/R22944pdf >. Acesso em: 09 de setembro de 2018.

GIL, Antônio Carlos. Pesquisa Social 5ª ed.- São Paulo: Atlas, 1999.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito das Coisas. Coleção Sinopses Jurídicas, V.03, 17. ed-São Paulo: Saraiva, 2016.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direto das Obrigações: Parte Especial- Contratos. Coleção Sinopses Jurídicas, 06, Tomo I. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro: Responsabilidade Civil. 9. Ed- São Paulo: Saraiva, 2014.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL- INPI. Propriedade Intelectual. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/ .Acesso em: 22 de junho de 2018.

IZIQUE, Claudia. Proteção da Propriedade Intelectual amplia benefícios da Pesquisa. Revista Pesquisa FAPESP. Ed- 116- págs. 30ª 33. Disponível em: www.revistapesquisa.fapesp.br. Acesso em 15 de outubro de 2018.

JUNGMANN, Diana de Mello. A caminho da inovação: proteção e negócios com bens de propriedade intelectual: Guia para empresário, Brasilia:IEL,2010. Disponível em < http://www.inpi.gov.br/sobre/arquivos/guia_empresario_iel-senai-e-inpi.pdf>. Acesso em: 10 de junho de 2018.

LIMA, José Erigutemberg Meneses. Afinal o que é Direito? Disponível em:< https://guiteri.jusbrasil.com.br/artigos/152713024/afinal_0_que_e_direito>. Acesso em: 10 de setembro de 2018.

LIMA, Humberto Alves de Vasconcelos. Propriedade Intelectual no século XXI: Em busca de um novo conceito e substrato teórico. Revista da Faculdade de Direito- UFPR, Curitiba, nº 56, p. 157-175, 2012. Disponível em:<    >. Acesso em julho de 2018.

MINISTÉRIO DE CIENCIAS E TECNOLOGIA. Portaria MCT nº 346, 2004. Disponível em:<https://www.mctic.gov.br/mctic/export/sites/institucional/transparencia/arquivos/Relatorio-de-Gestao-2016.pdf>. Acesso em: 03 de julho de 2018.

MINISTÉRIO DA CULTURA. Lei nº 12.853/2013: Legislação de Direitos Autorais. . Disponível em:< http://www.cultura.gov.br/documents/10883/1281813/Caderno+Leg.+DA+2%C2%AA%20Edi%C3%A7%C3%A3o+julho+2015.pdf/f0d63bf6-021f-42d9-b2dd-ba7daad4d10c>. Acesso em: 20 de julho de 2018.

MINISTERIO DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO EXTERIOR E SERVIÇOS. Revista da Propriedade Industrial. Lei nº 5.648. Disponível em:< file:///C:/Documents%20and%20Settings/Entrar/Meus%20documentos/Downloads/Comunicados2470.pdf>. Acesso em: 10 de agosto de 2018.

PAESANI, Liliana Minardi. Manual de Propriedade Intelectual. 2ª Edição-São Paulo: Atlas, 2015.

PLANALTO DO GOVERNO FEDERAL. Lei de Propriedade Industrial, nº 9.279/96: ARTIGOS: 5º, 10,11, 13, 14, 42 E 108. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9279.htm>. Acesso em: 13 de junho de 2018. 

SANTOS, Fabricio Santana. Lei nº 9.456/97- Proteção de Cultivares: Sui Generis: Introdução à Proteção de Cultivares e aspectos legais. Disponível em:<http://www.fcav.unesp.br/Home/departamentos/tecnologia/JESUSAPARECIDOFERRO/protec_cultivares_aspectos_legais.pdf>. Acesso em 20 de julho de 2018.

SILVA, Claudio Eduardo de Figueiredo. Propriedade Intelectual de Programa de Computador desenvolvido para utilização na Administração Pública: estudo de caso. Tese de doutorado em Ciências Jurídicas da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.  

SILVA, José Everton; SILVA, Marcos Vinicius. A Propriedade Intelectual como evolução histórica do instituto da propriedade imaterial. Disponível em:< http://publicadireito.com.br/artigos/?cod=53c16d65d012198a>. Acesso em: 30 de julho de 2018,

SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Súmula 403 do STJ. RSSTJ, a. 8, (38): -130 fevereiro 2014. Disponível em:<https://ww2.stj.jus.br/docs_internet/revista/eletronica/stj-revista-sumulas-2014_38_capSumula403.pdf> . Acesso em: 02 de agosto de 2018.

OLIVEIRA, Francisco Cardozo. Hermenêutica e Tutela da posse e Propriedade. Rio de Janeiro: Forense, 2006. Disponível em:< http://revista.unicuritiba.edu.br/index.php/RevJur/article/viewFile/567/439>. Acesso em: 12 de junho de 2018.

VANIN, Carlos Eduardo. O que é Propriedade Intelectual? Conceito, evolução histórica e sua importância. Disponível em:< http://duduhvanin.jusbrasil.com.br/artigos/407435408/propriedade-intelectual-conceito-evolucao-historico-e-normativa-e-sua-importancia >. Acesso em: 18 de julho de 2018.

VECCHIO, Giorgio Del. Lições de Filosofia do Direito. [Tradução de Antônio José Brandão]. 8 ed. Coimbra: Sucessor, 2016.

Texto inserido na PIDCC Volume 01 Nº 03 2020

Informações bibliográficas:
Conforme a NBR 6022 | 6023:2002 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e NBR 6023/2018, este texto científico publicado em periódico eletrônico deve ser citado da seguinte forma: Disponível em: http://pidcc.com.br/br/component/content/article/2-uncategorised/390-propriedade-intelectual-contexto-historico-importancia-e-suas-formas-de-protecao

DOI: http://dx.doi.org/10.16928/2316-8080.V01N3p.029-063

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-SemDerivações 4.0 Internacional. Acesso em:24/10/2020 | 11:48:07

Texto na Íntegra

Imprimir

A BIOPIRATARIA NO CONTEXTO DA LEGISLAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

Escrito por Super User. Posted in Uncategorised

PIDCC, Aracaju/Se, Ano IX, Volume 01 nº 03, p.001 - 028 OUT/2020 A JAN/2021 | www.pidcc.com.br

A BIOPIRATARIA NO CONTEXTO DA LEGISLAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

BIOPIRACY IN THE CONTEXT OF BIODIVERSITY LEGISLATION
LA BIOPIRACIA EN EL CONTEXTO DE LA LEGISLACIÓN SOBRE BIODIVERSIDAD
LA BIOPIRATERIE DANS LE CONTEXTE DE LA LÉGISLATION SUR LA BIODIVERSITÉ

RICARDO GOMES FIGUEIROA | RAISSA DE LUCA GUIMARÃES | VASCO ARISTON DE C. AZEVEDO

RESUMO | ABSTRACT | ABSTRACTO| RESUMEN

A biodiversidade é um patrimônio de alto valor econômico e capaz de movimentar diversos setores da economia. O Brasil é signatário da Convenção sobre a Biodiversidade – CDB - e em cumprimento às suas obrigações assumidas junto à Convenção aprovou a lei 13123/2015, que dispõe sobre o acesso ao patrimônio genético, a proteção e o acesso ao conhecimento tradicional associado, bem como a repartição de benefícios para conservação e uso sustentável da biodiversidade. O Brasil ratificou o protocolo de Nagoia e deu um passo importante para a luta internacional em defesa do seu patrimônio genético. A Biopirataria é a apropriação indébita do patrimônio genético e do conhecimento tradicional de um país e a muito tem ameaçado toda a estrutura de proteção do patrimônio genético. Com pouca discussão entre os principais atores do sistema de inovação, academia, governo e indústria, a Lei nº 13.123 tinha a intenção de promover a proteção deste patrimônio brasileiro, mas tem falhado neste tocante. Fica caracterizado que divergências somente corroboram a ideia de que a lei da biodiversidade foi construída sem a devida e necessária cautela e que não traduz o efeito desejado da norma, o desenvolvimento econômico, científico e social. Nesse sentido, o presente artigo tem como escopo analisar a biopirataria como entrave aos conceitos e ao cumprimento do mister da legislação da biodiversidade e o impacto que causa ao desenvolvimento da inovação, da P&D, notadamente na área biotecnológica. A metodologia utilizada é a pesquisa descritiva e exploratória, baseadas em fontes primárias, legislação, na literatura e em análise histórica. A construção equilibrada e paritária das políticas públicas, deve ser o foco principal dos atores envolvidos na efetivação deste marco legal da biodiversidade.

Palavras-Chave: Biodiversidade. Biopirataria. Pesquisa & Desenvolvimento. Propriedade Intelectual.

Biodiversity is a heritage of high economic value and capable of moving several sectors of the economy. Brazil is a signatory to the Convention on Biodiversity - CBD - and in compliance with its obligations assumed under the Convention, Law 13123/2015 was approved, which provides for access to genetic heritage, protection and access to associated traditional knowledge, as well as sharing benefits for conservation and sustainable use of biodiversity. Brazil ratified the Nagoya Protocol and took an important step towards the international fight in defense of its genetic heritage. Biopiracy is the misappropriation of a country's genetic heritage and traditional knowledge and has long threatened the entire genetic heritage protection structure. With little discussion among the main players in the innovation system, academia, government and industry, Law No. 13,123 was intended to promote the protection of this Brazilian heritage, but it has failed in this regard. It is characterized that divergences only corroborate the idea that the law of biodiversity was built without due and necessary caution and that it does not reflect the desired effect of the standard, economic, scientific and social development. In this sense, the purpose of this article is to analyze biopiracy as an obstacle to concepts and compliance with the requirements of biodiversity legislation and the impact it causes on the development of innovation, R&D, notably in the biotechnological area. The methodology used is descriptive and exploratory research, based on primary sources, legislation, literature and historical analysis. The balanced and equal construction of public policies should be the main focus of the actors involved in the implementation of this legal framework for biodiversity.

Keywords: Biodiversity. Biopiracy. Search. Intellectual property.

La biodiversidad es un patrimonio de alto valor económico y capaz de mover varios sectores de la economía. Brasil es signatario del Convenio sobre Biodiversidad - CDB - y en cumplimiento de sus obligaciones asumidas bajo el Convenio, se aprobó la Ley 13123/2015, que prevé el acceso al patrimonio genético, protección y acceso a los conocimientos tradicionales asociados, así como compartir beneficios para la conservación y el uso sostenible de la biodiversidad. Brasil ratificó el Protocolo de Nagoya y dio un paso importante hacia la lucha internacional en defensa de su herencia genética. La biopiratería es la apropiación indebida del patrimonio genético y el conocimiento tradicional de un país y durante mucho tiempo ha amenazado a toda la estructura de protección del patrimonio genético. Con poca discusión entre los principales actores del sistema de innovación, academia, gobierno e industria, la Ley N ° 13.123 tenía como objetivo promover la protección de este patrimonio brasileño, pero ha fracasado en ese sentido. Se caracteriza por que las divergencias solo corroboran la idea de que la ley de la biodiversidad se construyó sin la debida y necesaria cautela y que no refleja el efecto deseado del desarrollo estándar, económico, científico y social. En este sentido, el propósito de este artículo es analizar la biopiratería como un obstáculo para los conceptos y el cumplimiento de los requisitos de la legislación sobre biodiversidad y el impacto que provoca en el desarrollo de la innovación, la I + D + i, especialmente en el área biotecnológica. La metodología utilizada es la investigación descriptiva y exploratoria, basada en fuentes primarias, legislación, literatura y análisis histórico. La construcción equilibrada e igualitaria de políticas públicas debe ser el principal foco de los actores involucrados en la implementación de este marco legal para la biodiversidad.

Palabras clave: Biodiversidad. Biopiratería. Buscar. Propiedad intelectual.

La biodiversité est un patrimoine de grande valeur économique et capable de faire bouger plusieurs secteurs de l'économie. Le Brésil est signataire de la Convention sur la biodiversité - CDB - et conformément à ses obligations assumées en vertu de la Convention, la loi 13123/2015 a été approuvée, qui prévoit l'accès au patrimoine génétique, la protection et l'accès aux connaissances traditionnelles associées, ainsi que partage des avantages pour la conservation et l'utilisation durable de la biodiversité. Le Brésil a ratifié le Protocole de Nagoya et a franchi une étape importante dans la lutte internationale pour la défense de son patrimoine génétique. La biopiraterie est l'appropriation illicite du patrimoine génétique et des connaissances traditionnelles d'un pays et menace depuis longtemps l'ensemble de la structure de protection du patrimoine génétique. Avec peu de discussions entre les principaux acteurs du système d'innovation, le monde universitaire, le gouvernement et l'industrie, la loi n ° 13 123 visait à promouvoir la protection de ce patrimoine brésilien, mais elle a échoué à cet égard. Il se caractérise par le fait que les divergences ne font que corroborer l'idée que la loi de la biodiversité a été construite sans précaution due et nécessaire et qu'elle ne reflète pas l'effet recherché du développement standard, économique, scientifique et social. En ce sens, l'objet de cet article est d'analyser la biopiraterie comme un obstacle aux concepts et au respect des exigences de la législation sur la biodiversité et l'impact qu'elle induit sur le développement de l'innovation, de la R&D, notamment dans le domaine des biotechnologies. La méthodologie utilisée est une recherche descriptive et exploratoire, basée sur des sources primaires, la législation, la littérature et l'analyse historique. La construction équilibrée et équitable des politiques publiques doit être au centre des préoccupations des acteurs impliqués dans la mise en œuvre de ce cadre juridique de la biodiversité.

Mots-clés: Biodiversité. Biopiraterie. Chercher. Propriété intellectuelle.

REFERÊNCIAS

ALBAGLI, Sarita. Convenção sobre Diversidade Biológica. Uma visão a partir do Brasil. In: GARAY, Irene E.G.; BECKER, Bertha K. As Dimensões Humanas da Biodiversidade. O desafio de novas relações sociedade-natureza no século XXI.Petrópolis: Vozes, 2006, p. 116-133. 

BARBOSA, Denis Borges, Uma Introdução à Propriedade Intelectual, 2a. Edição, Ed. Lumen Juris, 2003 

BRASIL. Sistema de Informação sobre a biodiversidade brasileira. Biodiversidade brasileira. Disponível em https://www.sibbr.gov.br/page/infografico.html. Acesso em 12/08/2020. 

BRASIL. Senado. Protocolo de Nagoia. Disponível em https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/08/12/publicado-decreto-que-confirma-entrada-do-brasil-no-protocolo-de-nagoia. Acesso em 15/08/2020. 

BRASIL. Decreto legislativo. https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/decreto-legislativo-271715400 03/09/2020 

BRASIL. CGen. resoluções Disponível em https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/resolucao-n-23-de-7-de-agosto-de-2019-221310200 acesso em 16/09/2020 

BRASIL. INPI. resoluções Disponível em https://www.gov.br/inpi/pt-br/assuntos/patentes/consultas-publicas/arquivos/resolucao_144-2015_-_diretrizes_biotecnologia.pdf 

BRASIL. Legislação. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9478.htm acesso em 17/09/2020 

BRASIL. Legislação Agência Nacional do Petróleo- ANP. Disponível em http://www.anp.gov.br/pesquisa-desenvolvimento-e-inovacao/investimentos-em-p-d-i. acesso em 18/09/2020 

BARROS, Carla Eugenia Caldas. Manual de Direito da Propriedade Intelectual, Evocati: Aracaju, 2007. 

BARROS, Carla Eugenia Caldas. Aperfeiçoamento e Dependência em Patentes, Lumen Juris: Rio de Janeiro, 2004 

BUAINAIN, Antônio Márcio, SOUZA, Roney Fraga. Propriedade Intelectual e Desenvolvimento no Brasil. Rio de Janeiro: ABPI – Associação Brasileira da Propriedade Intelectual, 2019 

CDB. Convenção da Biodiversidade. Disponível em https://www.cbd.int/abs/about/ cdb 2015 acesso em 03/09/2020 

ETCGROUP. Internet. Biopirataria. Disponível em http:// www.etcgroup.org/issues/patents-biopiracy. Acesso em 25/08/2020. 

FAPESP. Fruta disputada. Disponível em https://revistapesquisa.fapesp.br/fruta-disputada/. Acesso em 12/08/2020. 

FERREIRA, S. N.; SAMPAIO, M. J. A. M. Biodiversidade e conhecimentos tradicionais associados: implementação da legislação de acesso e repartição de benefícios no Brasil. Brasília: SBPC, v. 356, 2013. 

FERREIRA, S. N.; CLEMENTINO, A. N. R. Legislação de acesso a recursos genéticos e conhecimentos tradicionais associados e repartição de benefícios. Brasília: EMBRAPA, 2010. 

FIOCRUZ. Internet. Lei da biodiversidade. Disponível em https:// portal.fiocruz.br/lei-da-biodiversidade. Acesso em 25/08/2020. 

FUCK, Marcos Paulo, RIBEIRO, Cassio Garcia, BONACELLI, Maria Beatriz Machado, FURTADO, André Tosi. P&D de interesse público? Observações a partir do estudo da Embrapa e da Petrobras; Engevista, v. 9, n. 2, p. 85-99, dezembro 2007, disponível em https://periodicos.uff.br/engevista/article/viewFile/8812/6280, acesso em 17/09/2020.  

GODINHO, R. S.; MACHADO, C. J. S. Avanços e percalços na elaboração da legislação nacional sobre acesso a recursos genéticos e aos conhecimentos tradicionais associados. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 24, p. 83-99, 2011.  

GROSS, A. R. Diálogo sobre o Protocolo de Nagoia entre Brasil e União Europeia = Dialogue on the Nagoya Protocol between Brazil and the European Union. Brasília: MMA, 2013. 29 p. 

JUNIOR, Osvaldo Agripino de Castro, Algumas reflexões sobre o impacto do sistema judicial no desenvolvimento brasileiro, Revista da Informação Legislativa, a 35, n 141, jan/mar., 1999. 

KARAM, Fabio Hungaro M.. Conhecimentos Tradicionais, Propriedade Intelectual E Política Externa Brasileira. Disponível em http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/279244/1/Karam_FabioHungaro_M.pdf, acesso em 27/09/2020 

MORAES, Alexandre de. Direito constitucional. 12. ed. São Paulo: Atlas, 2002, p. 524. 

MULLER, A. C.; MACEDO, M. F., Revista Fitos, volume 1, nº 2, Rio de Janeiro, 2005. 

NADER, H. B.; OLIVEIRA, F. de; MOSSRI, B. B. A ciência e o poder legislativo: relatos e experiências. São Paulo: SBPC, 2017. 

SANTILLI, Juliana. Socioambientalismo e novos direitos: proteção jurídica à diversidade biológica e cultural. Editora Peirópolis, 2005

SHIVA, Vandana. Biopirataria A pilhagem da Natureza e do conhecimento. Editora Vozes. Petrópolis. 2001

Texto inserido na PIDCC Volume 01 Nº 03 2020

Informações bibliográficas:
Conforme a NBR 6022 | 6023:2002 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e NBR 6023/2018, este texto científico publicado em periódico eletrônico deve ser citado da seguinte forma: Disponível em: http://pidcc.com.br/br/component/content/article/2-uncategorised/389-a-biopirataria-no-contexto-da-legislacao-da-biodiversidade

DOI: http://dx.doi.org/10.16928/2316-8080.V01N3p.001-028

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-SemDerivações 4.0 Internacional. Acesso em:24/10/2020 | 11:48:07

Texto na Íntegra

Texto em Inglês

Imprimir

VOL. 01 Nº 03 OUT/2020 A JAN/2021

Escrito por Super User. Posted in Uncategorised

EDIÇÃO OUT/2020 A JAN/2021

Sumário | Issue

Editorial

Artigos | Articles | Artículos

01. A BIOPIRATARIA NO CONTEXTO DA LEGISLAÇÃO DA BIODIVERSIDADE  

─ BIOPIRACY IN THE CONTEXT OF BIODIVERSITY LEGISLATION
─ LA BIOPIRACIA EN EL CONTEXTO DE LA LEGISLACIÓN SOBRE BIODIVERSIDAD
─ 
LA BIOPIRATERIE DANS LE CONTEXTE DE LA LÉGISLATION SUR LA BIODIVERSITÉ 

RICARDO GOMES FIGUEIROA | RAISSA DE LUCA GUIMARÃES | VASCO ARISTON DE CARVALHO AZEVEDO p.001 - 028 |

DOI http://dx.doi.org/10.16928/2316-8080.V01N3p.001-028

02. PROPRIEDADE INTELECTUAL: CONTEXTO HISTÓRICO, IMPORTÂNCIA E SUAS FORMAS DE PROTEÇÃO  

─ INTELLECTUAL PROPERTY: HISTORICAL CONTEXT, IMPORTANCE AND ITS FORMS OF PROTECTION
─ PROPIEDAD INTELECTUAL: CONTEXTO HISTÓRICO, IMPORTANCIA Y SUS FORMAS DE PROTECCIÓN
─ 
PROPRIÉTÉ INTELLECTUELLE: CONTEXTE HISTORIQUE, IMPORTANCE ET SES FORMES DE PROTECTION 

RITA DE CASSIA MEDEIROS GOMES p.029 - 063|

DOI http://dx.doi.org/10.16928/2316-8080.V01N3p.029-063

Imprimir

A AUTONOMIA DO DIREITO COMERCIAL E UM NOVO CÓDIGO COMERCIAL

Escrito por Super User. Posted in Uncategorised

PIDCC, Aracaju/Se, Ano IX, Volume 01 nº 02, p.202-219 Junho/2020 | www.pidcc.com.br

A AUTONOMIA DO DIREITO COMERCIAL E UM NOVO CÓDIGO COMERCIAL

THE AUTONOMY OF COMMERCIAL LAW AND A NEW COMMERCIAL CODE
LA AUTONOMÍA DEL DERECHO COMERCIAL Y UN NUEVO CÓDIGO COMERCIAL
L'AUTONOMIE DU DROIT COMMERCIAL ET UN NOUVEAU CODE COMMERCIAL

MARINA ZAVA DE FARIA

RESUMO | ABSTRACT | ABSTRACTO| RESUMEN

O presente artigo tem como objetivo discorrer sobre a autonomia do Direito Comercial, com o intuito de destacar seus aspectos mais relevantes. Sequencialmente, será feita uma confrontação do seu enfraquecimento ao longo do tempo, principalmente em virtude da relativa unificação oriunda do advento do Código Civil de 2002. Desse modo, em desfecho, defenderemos a necessidade da promulgação de um novo Código Comercial o qual deverá ratificar a autonomia do Direito Comercial, além de propiciar a sua evolução e fortalecimento.

Palavras-Chave: Direito Comercial. Autonomia. Novo Código Comercial.

This article aims to discuss the autonomy of Commercial Law, in order to highlight its most relevant aspects. Sequentially, there will be a confrontation of its weakening over time, mainly due to the relative unification resulting from the advent of the 2002 Civil Code. autonomy of Commercial Law, in addition to promoting its evolution and strengthening.

Keywords: Commercial law. Autonomy. New Commercial Code.

Este artículo tiene como objetivo discutir la autonomía del Derecho Comercial, a fin de resaltar sus aspectos más relevantes. Secuencialmente, habrá una confrontación de su debilitamiento con el tiempo, principalmente debido a la relativa unificación resultante del advenimiento del Código Civil de 2002. autonomía del derecho mercantil, además de promover su evolución y fortalecimiento.

Palabras clave: Ley comercial. Autonomía. Nuevo Código Comercial.

Cet article vise à discuter de l'autonomie du droit commercial, afin de mettre en évidence ses aspects les plus pertinents. Séquentiellement, il y aura confrontation de son affaiblissement dans le temps, principalement en raison de la relative unification résultant de l'avènement du Code civil de 2002. Ainsi, en conclusion, nous défendrons la nécessité de la promulgation d'un nouveau Code de commerce qui devrait ratifier le l'autonomie du droit commercial, en plus de favoriser son évolution et son renforcement.

Mots-clés: Droit commercial. Autonomie. Nouveau code de commerce.

REFERÊNCIAS

ARNOLDI, Paulo Roberto. Direito Comercial: autonomia ou unificação. São Paulo: Jalovi, 1989.

 

ASCARELLI, Tullio. Ensaios e Pareceres. São Paulo: Saraiva, 1952.

 

BARRETO FILHO, Oscar. A dignidade do direito mercantil. Revista de Direto Bancário e do Mercado de Capitais, ano 2, nº 6, p.295-305, set/dez 1999.

 

BEVILAQUA, Clóvis. Teoria geral do Direito Civil. São Paulo: Editora Servanda, 2015.

 

BULGARELLI, Waldírio. A teoria jurídica da empresa: análise jurídica da empresarialidade. São Paulo: Revista dos Tribunais: 1985.

 

CAVALLI, Cassio. Direito Comercial: passado, presente e futuro. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

 

COELHO, Fabio Ulhoa. Curso de Direito Comercial, v. I.  São Paulo: Saraiva, 2014. 

COELHO, Fabio Ulhoa; LIMA, Tiago Asfor Rocha; NUNES, Marcelo Guedes. Novas reflexões sobre o Projeto de Código Comercial. São Paulo: Saraiva, 2015. 

COELHO, Fabio Ulhoa; LIMA, Tiago Asfor Rocha; NUNES, Marcelo Guedes. Reflexões sobre o Projeto de Código Comercial. São Paulo: Saraiva, 2013.

 

COSTA, Philomeno J da. Autonomia do direito comercial. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1956.

 

ECCO, Umberto. Como fazer uma tese. São Paulo: Editora Perspectiva, 1977.

 

FERREIRA, Waldemar. Instituições do Direito Comercial. São Paulo: Editora Max Limonad, 1954.

 

FORGIONI, Paula. A evolução do Direito Comecial Brasileiro – da mercancia ao mercado, 2ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.

 

LAKATOS, Eva Maria, MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do Trabalho Científico, 7ª Ed. São Paulo: Atlas, 2007.

 

MAMEDE, Gladston. Direito Empresarial Brasileiro – Empresa e atuação empresarial. São Paulo: Atlas, 2014.

 

MENDONÇA, José Xavier Carvalho. Tratado de Direito Comercial Brasileiro, v. I. São Paulo: Bookseller, 2000.

 

RAMOS, André Luiz Santa Cruz Ramos. Direito Empresarial Esquematizado. São Paulo: Editora Método, 2011.

 

REQUIÃO, Rubens. Curso de Direito Comercial, v.I, 34ª Ed. São Paulo: Saraiva, 2015. 

 

ROCCO, Alfredo. Princípios de direito comercial.  Tradução de Ricardo Rodrigues Gama. Campinas: LZN, 2003.

 

VALERI, Giuseppe. Manuale di diritto privato. Firenze: Casa Editrice Dottore Carlo Cya, 1950, v. I.

 

VIVANTE, Cesare. Instituições do Direito Comercial. São Paulo: Minelli, 2006.

 

TOMAZETTE, Marlon. Curso de Direito Empresarial. São Paulo: Atlas: 2014.

 

WAISBERG, Ivo. O novo Código Comercial Brasileiro. Valor Econômico. 

WAISBERG, Ivo. O Projeto de Lei nº 1.572/2011 e a Autonomia do Direto Comercial.  São Paulo: Saraiva, 2013.

Texto inserido na PIDCC Volume 01 Nº 02 2020

Informações bibliográficas:
Conforme a NBR 6022 | 6023:2002 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e NBR 6023/2018, este texto científico publicado em periódico eletrônico deve ser citado da seguinte forma: Disponível em: http://pidcc.com.br/br/component/content/article/2-uncategorised/387-a-autonomia-do-direito-comercial-e-um-novo-codigo-comercial

DOI: http://dx.doi.org/10.16928/2316-8080.V01N2p.202-219

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-SemDerivações 4.0 Internacional. Acesso em:24/10/2020 | 11:48:07

Texto na Íntegra

Texto em Inglês

Imprimir

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS E A JURISPRUDÊNCIA DEFENSIVA

Escrito por Super User. Posted in Uncategorised

PIDCC, Aracaju/Se, Ano IX, Volume 01 nº 02, p.188-201 Junho/2020 | www.pidcc.com.br

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS E A JURISPRUDÊNCIA DEFENSIVA

CONSTITUTIONAL PRINCIPLES AND DEFENSIVE JURISPRUDENCE
PRINCIPIOS CONSTITUCIONALES Y JURISPRUDENCIA DEFENSIVA
PRINCIPES CONSTITUTIONNELS ET JURISPRUDENCE DÉFENSIVE

MATHEUS SOUBHIA SANCHES | GUILHERME PIZZOTTI MENDES COLETTO DOS SANTOS | RODRIGO TANNURI

RESUMO | ABSTRACT | ABSTRACTO| RESUMEN

Este escrito se debruçará sobre a chamada “jurisprudência defensiva” no âmbito do Superior Tribunal de Justiça, fazendo-se um cotejo com princípios constitucionais, como do acesso à justiça e do devido processo legal. O artigo partirá da conceituação do termo “jurisprudência defensiva”, especialmente de acordo com a doutrina, e de esclarecimentos acerca de sua aplicação durante a vigência do Código de Processo Civil de 1973. O estudo caminhará para uma análise das diretrizes do atual Código de Processo Civil, ao privilegiar decisões de mérito — sendo este, inclusive, um norte que permeia toda a legislação —, fazendo-se uma comparação o diploma legal anterior, bem como da Constituição Federal. Ao final, far-se-á uma análise crítica de acórdãos recentes do Superior Tribunal de Justiça sobre o tema, trazendo para debate a provocação que intitula este artigo.

Palavras-Chave: Jurisprudência Defensiva. Superior Tribunal de Justiça. Constituição Federal. Princípios Constitucionais. Primazia da Decisão de Mérito

This brief will focus on the so-called “defensive jurisprudence” within the scope of the Superior Court of Justice, making a comparison with constitutional principles, such as access to justice and due process. The article will start from the conceptualization of the term “defensive jurisprudence”, especially according to the doctrine, and from clarifications about its application during the validity of the Civil Procedure Code of 1973. The study will move towards an analysis of the guidelines of the current Code of Procedure Civil, by privileging decisions on merit - this being, even, a north that permeates all legislation -, making a comparison with the previous legal diploma, as well as the Federal Constitution. At the end, there will be a critical analysis of recent judgments of the Superior Court of Justice on the subject, bringing to debate the provocation that entitles this article.

Keywords: Defensive Jurisprudence. Superior Justice Tribunal. Federal Constitution. Constitutional principles. Primacy of the Decision on the Merits

Este informe se centrará en la llamada "jurisprudencia defensiva" dentro de la Corte Superior de Justicia, haciendo una comparación con los principios constitucionales, como el acceso a la justicia y el debido proceso. El artículo comenzará a partir de la conceptualización del término "jurisprudencia defensiva", especialmente de acuerdo con la doctrina, y de las aclaraciones sobre su aplicación durante la vigencia del Código de Procedimiento Civil de 1973. El estudio avanzará hacia un análisis de las directrices del Código de Procedimiento vigente. Civil, al privilegiar las decisiones sobre el mérito, siendo este, incluso, un norte que impregna toda la legislación, haciendo una comparación con el diploma legal anterior, así como con la Constitución Federal. Al final, habrá un análisis crítico de las sentencias recientes de la Corte Superior de Justicia sobre el tema, llevando a debate la provocación que da derecho a este artículo.

Palabras clave: Jurisprudencia defensiva. Tribunal Superior de Justicia. Constituicion Federal. Principios constitucionales. Primacía de la Decisión sobre el fondo

Ce mémoire se concentrera sur la soi-disant «jurisprudence défensive» dans le cadre de la Cour supérieure de justice, en faisant une comparaison avec les principes constitutionnels, tels que l'accès à la justice et une procédure régulière. L'article partira de la conceptualisation du terme «jurisprudence défensive», notamment selon la doctrine, et des éclaircissements sur son application pendant la validité du Code de procédure civile de 1973. L'étude s'orientera vers une analyse des lignes directrices du Code de procédure actuel Civil, en privilégiant les décisions au mérite - ce qui est, même, un nord qui imprègne toute législation -, en faisant une comparaison avec le diplôme de droit antérieur, ainsi qu'avec la Constitution fédérale. À la fin, il y aura une analyse critique des récents jugements de la Cour supérieure de justice sur le sujet, mettant en débat la provocation qui donne le titre à cet article.

Mots-clés: Jurisprudence défensive. Tribunal supérieur de justice. Constitution fédérale. Principes constitutionnels. Primauté de la décision sur le fond

REFERÊNCIAS

BARBOSA MOREIRA, José Carlos. Restrições Ilegítimas ao conhecimento dos recursos. São Paulo: Revista dos Tribunais, v. 386, 2006 

CÂMARA, Alexandre Freitas. O princípio da primazia da resolução do mérito e o Novo Código de Processo Civil. Disponível em http://genjuridico.com.br/2015/10/07/o-principio-da-primazia-da-resolucao-do-merito-e-o-novo-codigo-de-processo-civil/, acessado em 22.03.20. 

MEDINA, José Miguel Garcia. Novo Código de Processo Civil Comentado. 5ª ed.. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2017 

NERY, Nelson; ANDRADE NERY, Rosa Maria, Código de Processo Civil Comentado. 16ª edição. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016 

OLIVEIRA, Pedro Miranda de. O princípio da primazia do julgamento do mérito recursal no CPC projetado: óbice ao avanço da jurisprudência defensiva. São Paulo: Revista dos Tribunais, v. 950, 2014 

VAUGHN, Gustavo Fávero. Entre o Processo Civil e o Processo Incivil. coord. RIBEIRO, Sérgio Luiz de Almeida e BIAZOTTIM Thiago D’áurea Cioffi Santoro. São Paulo: Editora Lualri, 2019 

WAMBIER, Teresa Arruda Alvim, CONCEIÇÃO, Maria Lúcia Lins, RIBEIRO, Leonardo Ferres da Silva, TORRES DE MELLO, Rogério Licastro, Primeiros Comentários ao Novo Código de Processo Civil, 2ª edição, São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016 

WAMBIER, Teresa Arruda Alvim. DIDIER JR, Fredie; TALAMINI, Eduardo; DANTAS, Bruno. Breves Comentários ao Novo Código de Processo Civil, 1ª ed., São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015

Texto inserido na PIDCC Volume 01 Nº 02 2020

Informações bibliográficas:
Conforme a NBR 6022 | 6023:2002 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e NBR 6023/2018, este texto científico publicado em periódico eletrônico deve ser citado da seguinte forma: Disponível em: http://pidcc.com.br/br/component/content/article/2-uncategorised/386-os-principios-constitucionais-e-a-jurisprudencia-defensiva

DOI: http://dx.doi.org/10.16928/2316-8080.V01N2p.188-201

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-SemDerivações 4.0 Internacional. Acesso em:24/10/2020 | 11:48:07

Texto na Íntegra

Texto em Inglês

Estatísticas 30+